Natureza

Pacto Educativo Global 

Com o objetivo de “Reconstruir o Pacto Educativo Global” e celebrar os 5 anos da Encíclica Laudato Si’, o Papa Francisco lançou em 12 de setembro de 2019 o convite para o “Pacto Global Educativo” a ser celebrado no Vaticano inicialmente em maio, e adiado para outubro de 2020 por causa da pandemia. O evento recorda também o Documento da Fraternidade Humana assinado pelo Pontífice e o Grão-Imame de Al-Azhar, em Abu Dhabi.

Ao propor a celebração de um Pacto, o Papa reconhece a necessidade de unir esforços para formar pessoas maduras e com responsabilidade na construção do bem comum. Inspira-se no provérbio da sabedoria africana, que afirma que “para educar uma criança é necessária uma aldeia inteira”. A imagem da aldeia evoca uma ampla aliança pela educação que incumbe de responsabilidade não apenas determinados atores sociais, mas pressupõe um envolvimento de toda sociedade.  De forma especial, os esforços do Pacto devem envolver todos os profissionais, dos mais variados títulos, que lecionam ou fazem pesquisas, os agentes e gestores públicos, as pessoas que se ocupam com o futuro das novas gerações e os próprios jovens, enquanto sujeitos de seus processos formativos.

O Pacto Educativo proposto pelo Papa Francisco, insere-se na compreensão de um mundo fraterno no qual a educação é o meio pelo qual se pode criar a verdadeira fraternidade. O grande desafio é educar em uma perspectiva do encontro, do diálogo entre culturas, religiões e gerações. Para atingir tal proposta, o Papa Francisco indica três “coragens”: a de colocar no centro a pessoa, a de cada um investir suas melhores energias e a de formar pessoas disponíveis para se colocarem a serviço da comunidade.