II Congresso Brasileiro e I Congresso Internacional de Humanismo Solidário na Ciência acontece de 11 a 13 de novembro, virtualmente

A segunda edição Brasileira e a primeira edição internacional do Congresso de Humanismo Solidário na Ciência (HSC), iniciativa do Setor Universidades da Comissão Episcopal Pastoral para Cultura e Educação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), da Sociedade Brasileira de Cientistas Católicos (SBCC) – vinculada a comissão e do Grupo de Partilha de Profissionais (GPP/MUR), teve início nesta quinta-feira, 11 de novembro e segue até sábado, dia 13, de modo virtual.

Os dois eventos, que tem como tema “Amizade Social e Cooperação na Ciência”, buscam fomentar um amplo debate científico acerca da dimensão ética das profissões, da integralidade do ser humano, condições que fundamentadas na sinergia religião e ciência possam contribuir para sustentabilidade de nossa Casa Comum. Ao todo, participam quase 200 participantes, 70 autores de projetos e trabalhos, 50 instituições de educação superior e algumas instituições eclesiais.

A iniciativa bienal, que estava prevista para acontecer em outubro de 2020, na Universidade Católica de Salvador (UCSal), precisou ser adiada e repensada por cauda da pandemia da Covid-19. Com isso, foi possível organizar o congresso internacional com o apoio do professor doutor padre Jorge Ivan Alvarez Gómez, da Pontifícia Universidade Bolivariana (UPB – Colômbia), que vai contar com a participação internacional de personalidades importantes na Igreja e na Ciência.

O presidente da SBCC, professor Everthon de Souza Oliveira (CEFET/MG), contextualizou como a pandemia impôs restrições à organização do evento, mas de como também ampliou as possibilidades permitindo a organização do evento internacional.

“O atual contexto nos permitiu identificar outros pesquisadores católicos que já trabalham no tema do humanismo e amadurecer a reflexão no nível internacional.  A proposta do congresso internacional abre-nos à possibilidade de maior compartilhamento e aprendizagem e nos permite uma fecunda aproximação de cientistas católicos em busca de um bem comum”, destacou Everthon.

Na abertura dos eventos, o arcebispo de Montes Claros e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Cultura e Educação da CNBB, dom João Justino de Medeiros disse que “observamos que, do último congresso para cá, tivemos a alegria de receber a encíclica Fratelli Tutti. O congresso quer catalisar as forças que tem produzido ciência à luz do paradigma filósofico-teológico da alteridade, ao se propor refletir sobre amizade social e cooperação na ciência”. Citou ainda que: “a Igreja no Brasil na suas DGAE, número 196, motiva que precisamos valorizar o mundo das culturas e das ciências como espaço missionário. Este congresso é uma concretização deste apelo das DGAE 2019 – 23”.

O assessor do Setor Universidades da CNBB, padre Danilo Pinto, um dos organizadores do evento disse que “a segunda edição do Congresso responde à tendência de internacionalização da Educação Superior ao promover o I Congresso Internacional e agremiar pesquisadores católicos do continente latino-americano e à perspectiva eclesial sinodal, proposta pelo Papa Francisco, ao reunir cristãos leigos e leigas de diversas expressões eclesiais que atuam no ambiente científico do Brasil e na América Latina”.

As atividades dos congressos buscam criar uma interatividade entre os pesquisadores e palestrantes por meio das mesas temáticas, apresentação de trabalhos etc. Segundo o presidente da SBCC, esse formato visa sintetizar as reflexões dos congressistas e divulgar, em forma de trabalhos acadêmicos, a construção intelectual dos pesquisadores católicos.

“O Papa Francisco colocou a Igreja como protagonista das principais reflexões da atualidade e promoveu o pesquisador católico em posição proeminente no diálogo com a sociedade. A amizade social, o pacto educativo global, a ecologia integral e a economia de Francisco têm potencial de responder a inúmeras questões atuais e exigirá um esforço coordenado da comunidade científica global e uma participação ativa da comunidade científica católica”, aponta o professor Everthon.

Primeira edição

O Congresso Brasileiro de Humanismo Solidário na Ciência, aconteceu pela primeira vez, em 2018, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC Rio. O encontro reuniu 110 trabalhos submetidos das nove grandes áreas da CAPES, de 270 autores e co-autores, de 73 Instituições de Ensino Superior e 14 estados brasileiros. Ao final do encontro, foi criada a Sociedade Brasileira de Cientistas Católicos (SBCC) que possui a finalidade de fomentar o tema do humanismo cristão na ciência, e acompanhar pastoralmente os profissionais mestres e doutores e que permanecem nas dinâmicas da Educação Superior.

Humanismo Solidário

O tema do Humanismo Solidário foi escolhido em virtude da necessidade de repensar as competências técnicas e metodologias científicas à luz das dimensões constitutivas da pessoa humana, em respeito à sua dignidade. Esta harmonização entre competências e valores foi descrita como fundamental para a construção de uma sociedade justa, solidária e inclusiva.

Fonte: Portal CNBB

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários